Sábado, 11 de Abril de 2015

Mulher

Teus queixumes teus lamentos

No mais profundo do meu ser guardados

São chacota de sentimentos

 

Crianças sem nada e tão felizes

 

Lágrimas derramadas

Páginas de dor sofrimento

Afinal de que te queixas

Afinal o que te falta

 

Crianças descalças disputam um naco de pão

Existências de algibeiras vazias

Tão cheias de vida confiantes

Num futuro próximo que se avizinha melhor

 

Perturba-te a abundância

O exagero do que tens e não consomes

Tudo se perderá e tu também

Nada do que possuis é teu

Tudo se desprenderá nesta efémera passagem pela vida

Moribunda de afetos

Tudo findará num dia cinzento

Mas porquê porquê agora

Esse raio de sol que não compareceu

Motivou talvez essa entrada de rompante

No vazio

Lançada para o meio do nada

Coração arrebatado dessa janela tão alta

Teus queixumes teus lamentos

Quem te convenceu que ganharias asas

Se tu nunca soubeste voar

 

publicado por Carlos Pereira às 12:24
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. ...

. O Moinho Velho

. Casa de pedra e barro rui...

. Mulher

. Só mente Abril

. Nenhures

. Cem anos a salvar vidas

. Rebeldia de amor

. Rescaldos

. Tentação

.arquivos

. Outubro 2016

. Março 2016

. Abril 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Julho 2014

. Abril 2008

. Março 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds