Quinta-feira, 24 de Março de 2016

O Moinho Velho

P'la madrugada, o sol encoberto,

Alva farinha no saco de linho,

Vinhas devagar, o passo era certo,

Já sorria, não estava sozinho.

 

Jorrando liquido, sempre por perto,

A mó rodava tão de mansinho,

Linda paisagem, o canal aberto,

Água correndo para o moinho.

 

Uns anos mais tarde, trinta talvez,

A conduta da água o que lhe deu,

A esbelta mó desapareceu!

 

Não mais voltarei, nem mais uma vez,

As silvas são tantas, o que aconteceu,

Ninguém s'importou com o que era teu.

 

 

 

 

publicado por Carlos Pereira às 17:43
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. ...

. O Moinho Velho

. Casa de pedra e barro rui...

. Mulher

. Só mente Abril

. Nenhures

. Cem anos a salvar vidas

. Rebeldia de amor

. Rescaldos

. Tentação

.arquivos

. Outubro 2016

. Março 2016

. Abril 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Julho 2014

. Abril 2008

. Março 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds