Quinta-feira, 24 de Abril de 2008

Poemas

            Poemas

 

Á noite componho rimas,

De noite sonho com elas,

De manhã não adivinhas,

Continuo a pensar nelas.

 

Tenho assim esta tendência

Foi Deus que me deu o dom

Estou sempre em permanência

A escrever, é tão bom

 

Pinhel Falcão, não te esqueças,

Página dois folhear,

Até que te aborreças.

 

Se tu deixares de gostar,

Virar-me-ei das avessas,

Cansar-me-ei de rimar.

      

publicado por Carlos Pereira às 20:25
link do post | favorito
De Marina a 16 de Junho de 2008 às 20:42
ola tio !! ta fixe o teu blog.. para a escola tive que escrever um poéma... o que pensas ??
beijinhos


Perdue dans mes pensées

Encore une de ces journées
Où je repense à ce passé
Ce jour, ces nuits et ces années
Et cette douleur insensée

Qui m’a empêché d’avancer
Mes buts sont inaccessibles
Qui m’a interdit de danser
Ma passion impossible

« Rappelle toi des bons cotés »
On me l’a souvent répété
Mais la seule chose c’était

De ne pas avoir dû mourir
Ne pas être qu’un souvenir
Mais les regrets m’envahissent



Marina Poinhos


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. ...

. O Moinho Velho

. Casa de pedra e barro rui...

. Mulher

. Só mente Abril

. Nenhures

. Cem anos a salvar vidas

. Rebeldia de amor

. Rescaldos

. Tentação

.arquivos

. Outubro 2016

. Março 2016

. Abril 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Julho 2014

. Abril 2008

. Março 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds