Quinta-feira, 24 de Abril de 2008

Poemas

            Poemas

 

Á noite componho rimas,

De noite sonho com elas,

De manhã não adivinhas,

Continuo a pensar nelas.

 

Tenho assim esta tendência

Foi Deus que me deu o dom

Estou sempre em permanência

A escrever, é tão bom

 

Pinhel Falcão, não te esqueças,

Página dois folhear,

Até que te aborreças.

 

Se tu deixares de gostar,

Virar-me-ei das avessas,

Cansar-me-ei de rimar.

      

publicado por Carlos Pereira às 20:25
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Domingo, 13 de Abril de 2008

Verão o Verão que aí vem

 

 

Hirta e firme, árvore tão bela…

O mundo contempla, o teu pedestal

Símbolo eterno, na luz desta vela

Espírito fraterno, neste Natal.

 

 

Todos os anos, em tempo de verão,

É só desenganos, que triste amargura,

Cinzas na alma, prostrada no chão,

Ninguém acalma, a eterna loucura.

 

 

Brada ao mundo; se mais pobre ficou…

Mais um imundo, que o fogo causou;

Apagou-se o bombeiro, teu fiel amigo!

 

 

Estou contigo, em ti me revejo…

Quadra de paz, o nosso desejo!

-Árvore tão bela, choras comigo?!  

 

 

 

                                                                                               

                                                                                             

                                                                                 

publicado por Carlos Pereira às 22:23
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. ...

. O Moinho Velho

. Casa de pedra e barro rui...

. Mulher

. Só mente Abril

. Nenhures

. Cem anos a salvar vidas

. Rebeldia de amor

. Rescaldos

. Tentação

.arquivos

. Outubro 2016

. Março 2016

. Abril 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Julho 2014

. Abril 2008

. Março 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds