Domingo, 13 de Julho de 2014

O cálice do amor

O cálice do amor

 

Quando me é estendida a mão,

E do teu cálice me dás de beber,

Estremece em mim o teu coração,

És um novo alento em meu viver.

 

Quero mais, insensível loucura,

Carinho, de amor ficar repleto,

Serei um quadro teu, sem moldura,

Na tela um esboço incompleto.

 

Provoca em mim este teu parto,

Dá vida á vida que vai nascer,

Sorri ao menos, ergue o semblante.

 

Farto estou, mas se não me farto,

Já não consigo compreender,

Este vazio tão inconstante. 

publicado por Carlos Pereira às 23:19
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. ...

. O Moinho Velho

. Casa de pedra e barro rui...

. Mulher

. Só mente Abril

. Nenhures

. Cem anos a salvar vidas

. Rebeldia de amor

. Rescaldos

. Tentação

.arquivos

. Outubro 2016

. Março 2016

. Abril 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Julho 2014

. Abril 2008

. Março 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds